top of page

Em 'Eike - Tudo ou Nada', Lipy Adler fala do filme e sucessos no streaming

Ator interpreta Nestor no longa, um dos "pretorianos" da cúpula de confiança de Eike Batista. Além do papel, Lipy fala dos filmes que estão no ar nos streamings e dos projetos na área musical


Lipy Adler em Eike - foto de Desirée do Valle

O ator Lipy Adler está com um ano recheado de projetos, ele está no elenco do filme 'Eike - Tudo ou Nada', que estreia dia 22 de setembro nos cinemas, onde interpreta Nestor, um dos diretores que saem da Petrobras rumo a OGX, formando os "pretorianos", ou seja, a cúpula de confiança do Eike Batista.

- O Nestor é um personagem tipológico, ele é retraído, reprimido, rico, levemente fanho e sensível. Não foi fácil colocar tantas camadas nele, ainda mais por se tratar de uma linguagem extremamente naturalista, o filme é baseado no livro homônimo de Malu Gaspar e conta a trajetória de Eike Batista desde de ser o sétimo homem mais rico do mundo até parar atrás das grades. Tivemos alguns encontros, antes das filmagens, com direção e roteiro da premiada dupla Andradina Azevedo e Dida Andrade para poder achar essa "temperatura" na preparação do personagem, a química com eles fez tudo ser muito produtivo e construtivo. O processo dos diretores me dava muita liberdade para improvisos e criação. Digamos que soubemos jogar juntos, o que na minha opinião é o melhor tipo de processo: o diretor sempre extraindo o melhor do ator. O resto agora, é com a opinião do público, vamos aguardar né? (rs) – comenta Adler sobre a criação de Nestor.

Além de Lipy, formam o núcleo dos "pretorianos" os atores Nelson Freitas (Eike), Laerte (Marcelo Valle), Xandro Graça (Dr Oil), Bukassa Kabengele (Kopas), Benigno (Thelmo Fernandes) e Juliana Alves (Zita), além de André Mattos como o Governador Sobral e Carol Castro como Luma de Oliveira.

- Trabalhar com esse elenco foi uma experiência que vai ficar na minha memória. Eu não conhecia a história do Eike a fundo e tenho certeza que o público irá adorar, pois é impressionante. Para chegar no resultado final do Nestor foram vários processos. A make ajudou muito. Mudamos o cabelo, tiramos a barba, emagreci 4 quilos. O figurino foi assertivo. Um terno elegante, relógio e sapatos impecáveis, além de uns broches no colete. Isso ajudou muito na composição. Depois achei o corpo do personagem, usei uma técnica teatral que aprendi com o Daniel Herz de desequilíbrio corporal, que traz uma composição corporal diferente da rotina. Depois, achei os gestos e o tempo dele. Calmo e delicado. Com o Dida Andrade e o Andradina Azevedo, fomos achando a voz do personagem e achamos esse tom semi-fanho – ressalta o ator.

Além de ator, Lipy também tem muitos projetos por trás das câmeras, que são sucesso nas plataformas de streaming. Entre as produções que participou estão os sucessos 'O Jogo', no ar na Amazon Prime no Brasil, Estados Unidos e Reino Unido, 'O Último Virgem' (Top 3 Brasil NETFLIX) e 'Carnaval' (TOP 1 Brasil Netflix) e Top 10 em 33 países.

- Tenho muito orgulho desse meu lado na carreira. Tudo se completa. Eu crio a ideia, faço o argumento, levo para grandes produtoras, se aprovados por elas, faço o roteiro, ajudo na produção, atuo e ajudo na campanha de lançamento e distribuição do filme nos cinemas. Ou seja, eu aplico o método 360°, além de captar recursos por conta da minha rede de network que cresce cada vez mais. Em 'O Último Virgem' e 'O Jogo', eu idealizei e produzi além de atuar. Em 'Carnaval' eu idealizei, escrevi o argumento, atuei e fiz umas conexões entre a produtora do filme (Camisa Listrada) e meus contatos do Carnaval de Salvador. Isso se deu em cinco anos mesmo enfrentando impeachment, crise, covid e interrupções nas leis de incentivo. E já tenho um novo filme autoral pra rodar em novembro, fora quatro roteiros de filmes em desenvolvimento, além de duas séries de televisão/streaming que também criei e produzi. Agora é colocar toda essa máquina criativa pra rodar – diz.


Bukassa Kabengele, Lipy Adler, Marcelo Valle, Juliana Alves e Thelmo Fernandes - foto de Desirée do Valle

Nesse tempo, o ator gravou em São Paulo o longa 'Madame Durocher' e dá mais detalhes sobre o longa.

- 'Madame Durocher' é um filme de época que se passa em torno de 1836. O roteiro é do João Segal e direção de Dida Andrade e Andradina Avezedo. O longa conta com vários atores incríveis: Matheus Solano, Armando Babaioff, André Ramiro, e a vencedora de melhor atriz em Cannes (2003) por 'Invasões Barbaras': Anne Marie Croze. Meu personagem é um nobre indelicado e agressivo que aborda a personagem de Anne Marie. Foi bem bacana me transportar para essa temática, fora atuar com a vencedora de Cannes de Melhor atriz. Uma honra! – comemora.

Com essa ligação com o cinema e os streamings, o ator viu um novo mercado se abrindo e assim criou o projeto 'CineStartup'.

- O Cinestartup é um projeto multi-plataforma com objetivo de fomentar a indústria audiovisual brasileira unindo longa metragem, laboratório e ensino a distância. A metodologia de ensino da Cinestartup inclui captação independente, produção do material do filme e curso – detalha.

Além do Cinestartup, Lipy tem outra paixão: a área musical e com isso criou dois projetos. O primeiro traz o nome do artista: "LIPY" e cria músicas autorais no gênero, criado por ele, o Quantic House que leva a espiritualidade por trás da música eletrônica. O segundo se chama "Blackfishz" que tem uma pegada mais comercial e performático, seguindo inspirações como Alok, Dubdogz, Chainsmokers e Sweedish House Mafia.


Lipy Adler como Nestor - foto de Desirée do Valle

- Os projetos musicais estão incríveis! No "Projeto Lipy" as canções têm essa frequência quântica que causam bem estar nas pessoas que as ouvem. Nos shows, além das autorais no Quantic House, sigo a linha Afrohouse e do Techno Melódico, gêneros poucos conhecidos no Brasil, mas muito escutado EUA (Burning Man) e principalmente na Europa (Ibiza, Mykonos, St Tropez...). Nas apresentações adoto um figurino místico, com kimonos, cordões, mandalas e muitas vezes um chapéu de fédora. Seria quase um personagem do "Bruxo Místico". No Spotify tenho lançado músicas: "Ode à Caê", uma releitura de Odara, do Caetano Veloso, 'Mariah Ayô', um mashup de uma música que amo do Claptone (Liquid Spirit) com 'Mas que Nada' (Jorge Ben Jor) – explica.

O segundo projeto: "The Bkackfishz Project" é uma performance que mescla música, teatro e interação com o público. Blackfishz é a junção dessas três.

- No Blackfishz canta-se e toca-se ao vivo e há também hits tocados pelos DJ´s. Além disso, bandeiras, fantasias e brindes fazem parte da atmosfera dessa performance. Músicas bem comerciais fazem a galera dançar e pular! É super animado. Grande parte do nosso repertório são músicas MashUp, ou seja, duas músicas diferentes juntas numa só. Isso causa uma reação química no cérebro das pessoas: a nostalgia (por lembrar de algo que já ouviu) com a euforia (sensação da novidade), o que causa uma explosão de serotonina diretamente no nosso cérebro. Essa pegada também é mais EDM (Tomorrowland) e vem fazendo sucesso com a New Generation. Aqui não há tantos DJ'S neste estilo no hall dos maiores artistas do Brasil, por isso, eu percebi um "Gap" de mercado, ou seja, uma brecha para vir com algo novo e que possa ser super consumido dentro do entretenimento brasileiro. O Blackfishz já tocou pra mais de 100 mil pessoas em um ano. Em 2022 abrimos os shows de Luan Santana e Jorge e Matheus no 'Carnaval das artes' para 40 mil pessoas no Parque dos Atletas e tocamos em duas festas com o Dubdogz, uma no Rio de Janeiro e outra em Campos do Jordão (SP) – completa Lipy.

Lipy Adler em cena de Eike - foto de Desirée do Valle

Mais sobre os novos projetos e a carreira de Lipy Adler podem ser vistos pelo https://www.instagram.com/lipyadler/


Comments